A dor da perda, de algo, de alguém,
o infortuno acaso, o insuportável saber,
a aflição é tamanha, não há como refazer,
está feito e compaixão pode ter.

O medo é um quadro a decorar o meu ambiente interior,
pinturas realísticas, mutáveis, metamorfose questionável,
a larva queima, o casulo abre -se, a borboleta-caveira,
não voa, rasteja, suas presas a fincar até simples devaneios.

Apropriamos a dor dos nossos próximos, a prova concreta da compaixão humana,
somos capazes de assumir o sofrimento que estraçalha outro peito, rezamos para que cada lágrima faça efeito,
silencie a aflição, os gritos de desespero, das famílias enterradas ou que enterraram o primogênito,
tragédias costumeiras, profundas de lamentos, acabam com vidas, antes de acabar com o dia.

Gostou? Compartilhem as poesias flutuantes e lembrem-se deste humilde pseudo poeta como autor, eternamente agradecido.

Pode escrever,

  • Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

POESIAS FLUTUANTES 2019 | Todas as poesias são autorais de J.G.B @ All rights reserved. As pinturas contidas neste site são de autoria de outros artistas, todos devidamente com créditos mencionados e linkados. Background Art by Akiane Kramarik

JGWEB - Criação de Sites