Moça bonita, aprecie minha incapacidade de decifrar as linhas, vejo-a desamarrar-se,
soltar a corda, aliviar as pedras das costas, distraindo-se com o abandono do juízo,
rindo de ninguém, sorrindo para si, dando voz a qualquer música, flertando com a vida,
sabe sofrer, nem parece aquela menina, chorosa, lágrimas de um passado, salgado.

Perdeu-se a essência, o perfume da rosa, o beijo do beija-flor, o sol do girassol,
vaporização da alma, eclipse da personalidade, obliteração do eu mesmo,
não há reflexo no espelho, não há sorriso que perdure em lábios contraídos,
quem agora me domina, parece-me comigo, mas é só um desassistido.

O que é a distância se ela é só um caminho?
Há de dar passos sem perder os trilhos,
a estrada é longa e não permite deslize,
até que tudo equalize.

Sem licença, sem permissão, todas as aspirações suprimidas, cuidado, chão frágil, vidro quebradiço,
pisar devagarinho, cochichar no ouvido, silenciar o coração golpeado, abraça-me, deixe-me forrar o caminho,
sou as mãos que lhe segura, os olhos na escuridão, prometo ser o nada que precisa, mais uma vez, respire,
sinta a brisa acariciar seu lindo rosto pela janela, enquanto costuro todas as feridas abertas.

Que a bebida insista mais um pouco, perdi a hora?! Pendure mais uma na conta,
os sorrisos e gargalhadas já estão sem motivos, até as minhas desgraças riem,
há paz no caos, mergulhado em goles rápidos, as vezes amargo, bem amado,
o tédio não me visita, tim, tim, sempre uma saída, as vezes saideira.

Dona da noite, abandonaste o lar sem graça, desfilando em vestido violeta e sandália preta,
a estrada de pedra como tapete vermelho, encontrará um velho amigo, sozinha, insinuante, brilhante,
a lua tem o melhor ângulo, enquanto as estrelas provocantes deslizam no corpo, belíssimo esboço,
o prazer de um bar no fim de noite, acompanhada, whisky amante e cerveja deturpante a esperar.

Sente aqui, como está? Parece sorrir com os olhos, linda está,
a vida é mesmo feita de figuras rítmicas, envolve-nos pela melodia lenta,
os ritmos acelerados, não importa a batida, não se decora a coreografia,
as notas coloridas e os graves agudos, embalam nossos passos até a partida.

O seu sorriso devasso que agora se expõe,
passeia em meus pensamentos líricos,
com destino certo e amor sem fim,
planejando a filosofia do Carpe Diem.

Gostou? Compartilhem as poesias flutuantes e lembrem-se deste humilde pseudo poeta como autor, eternamente agradecido.

Pode escrever,

  • Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

POESIAS FLUTUANTES 2019 | Todas as poesias são autorais de J.G.B @ All rights reserved. As pinturas contidas neste site são de autoria de outros artistas, todos devidamente com créditos mencionados e linkados. Background Art by Akiane Kramarik

JGWEB - Criação de Sites