Poesia - Sofrida Mãe Natureza - por J.B.G

Sofrida Mãe Natureza

5 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 Votes 5.00 (1 vote)

A Mãe Natureza agoniza, piamente chora,
suas crias cada vez mais raras, padecem todos os dias,
caçados, açoitados, degolados, sofrimento inesgotável,
criou-se tudo com amor e o homem perfurou.

Oh Mãe Natureza, deusa progenitora, limpa o ar que respiro,
derruba as folhas no outono, cai sobre mim a neve atrevida,
de beleza estonteante, tus é imcomparável em vida,
imprescindível em morte, até das cinzas, é renascida.

Tua carne sangra no aço, os pelos são queimados,
facões de lado a lado, cada traço violentado,
sem misericórdia, sofrimento arrastado.

Ingrato, amaldiçoado seja aquele que a ti sacrifica,
lastimável espécie humana, que sinta a mesma dor em sua partida,
és imperdoável, pagaste o dobro da importância, a crueldade cometida.

Poesia por J.G.B

Pintura "The Spirit Of Flight" por Josephine Wall

Tags: natureza imortal maldade sofrimento animais

Gostou? Compartilhem as poesias flutuantes e lembrem-se deste humilde pseudo poeta como autor, eternamente agradecido.

Pode escrever,

  • Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

POESIAS FLUTUANTES 2019 | Todas as poesias são autorais de J.G.B @ All rights reserved. As pinturas contidas neste site são de autoria de outros artistas, todos devidamente com créditos mencionados e linkados. Background Art by Akiane Kramarik

JGWEB - Criação de Sites