Poesia - De Repente - por J.B.G

De Repente

4.5 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 Votes 4.50 (1 vote)

De repente era amor, palavras adocicadas, longas prosas, jeito fácil,
músicas adotadas, sorrisos colados, corpos selados, beijos intermináveis,
juras de um amor eterno, corações alados, sentimentos inquestionáveis,
as imperfeições perfeitas de um casal amável, dignos de contos encantáveis.

Ele era tudo, ela era o mundo, os anos testemunharam a intensa magia,
surfaram as tempestades, dançaram em terremotos, até Shakespeare invejaria,
as labaredas sobre os lençóis sempre tremeluziam, todo dia, era dia,
e o mundo poderia desesperadamente acabar, nada acabaria.

De repente, era só bom dia, o céu só era cinza, as noites mal dormidas,
os toques eram frios, as canções enjoativas, até os sonhos de luz esvaneceriam,
as combalidas rotinas não perdoariam, algo até postergaria, mas cedo ou tarde, nada seriam.

O que? Por quê? Quem? Quando? os clichês do fim, ajuizamentos próprios e improdutivos,
eis que o amor não pede licença, nem faz despedida, transforma os seres, explicações não são devidas,
a grande força desmedida, se corajosa, move as montanhas, se fraca, impulsiona a rocha que a esmagaria.

Poesia por J.G.B

Pintura "Sunset On The Hill" por Brandy Vasquez

Tags: amor namoro namorados sonhos paixão fim força tempo música rotina transformação

Gostou? Compartilhem as poesias flutuantes e lembrem-se deste humilde pseudo poeta como autor, eternamente agradecido.

Pode escrever,

  • Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

POESIAS FLUTUANTES 2019 | Todas as poesias são autorais de J.G.B @ All rights reserved. As pinturas contidas neste site são de autoria de outros artistas, todos devidamente com créditos mencionados e linkados. Background Art by Akiane Kramarik

JGWEB - Criação de Sites